quinta-feira, 7 de junho de 2012

O mistério do motorista do Golf.

O Universo tem seus mistérios e alguns deles me intrigam.


A antimatéria, os buracos negros, a teoria dos universos paralelos, os óvnis e o motorista do Golf.

Motorista do Golf?

Sim!

Desde que tirei a carteira de habilitação, noto uma peculiaridade daqueles que dirigem determinados modelos de carro. 

É como aquela história de que o cachorro assume a personalidade do dono, já ouviu? Então... Tenho a impressão de que o motorista assume a "personalidade do carro". Qualquer dia escrevo sobre a "personalidade" do Astra e do Corolla, pois ambos também me intrigam, mas hoje é o dia do Golf, o mais impressionante de todos.

Não que eu tenha uma agenda muito lotada, nem que eu seja muito atarefado, mas, normalmente estou com pressa. Talvez porque saio de casa sempre no horário limite (pra não dizer atrasado), talvez porque sou ansioso e hiperativo, ou talvez porque simplesmente não tenho prazer em gastar o meu tempo no trânsito. Não importa. O fato é que, como bom apressado, ando quase sempre na esquerda... Isto é, quando um Golf não faz com que eu mude de ideia.

O motorista de Golf só anda na esquerda e; por razões que eu desconheço, mas tentarei descobrir nesta crônica; ele dirige "beeeeem devagarinho", com o braço pra fora, pescoção esticado na janela, sorriso no rosto e seu óculos Ray Ban.

Ela ama dirigir!

Talvez sejam os bancos de couro, talvez a direção hidráulica, ou, quem sabe, seja a mecânica do carro, sei lá... Não faço ideia! Nunca dirigi um Golf, mas, tenho uma vontade enorme de dirigir, pra saber qual é o "barato" que dá.

É claro que irrita você estar atrás, ansiando que ele te dê lugar para a ultrapassagem - ao invés de curtir lentamente o seu passeio - mas, mais do que irritar, causa inveja! Eu vejo aquela pessoa sorrindo no trânsito, andando tão vagarosamente, sem pressa, sem ansiedade, sem problemas, sem horários a cumprir, com toda aquela calma, sem se importar com uma fila de carros atrás, completamente loucos de raiva e eu penso: "Esse carro é tudo o que eu preciso"!

É como o clichê da propaganda do carro zero: a família vai cantando durante todo o percurso, o marido abraça o carro, a esposa ajuda a lavá-lo, as crianças são educadas e felizes, os irmãos não brigam...

O problema é que o marketing é falso, exceto quando é a propaganda do Golf, pois, meu amigo, esse faz milagre!

Às vezes, no caminho do trabalho para casa, quando empaco atrás de um Golf, na via da esquerda, e sou obrigado a segui-lo até em casa, vou pensando em muitas coisas - pois dá tempo de planejar até a minha aposentadoria daqui há 30 anos - e o que mais penso é no que o motorista fazia em casa antes de ir para a rua. Acho que seria uma cena do tipo: Ele em casa, no sofá, assistindo Chaves e, entediado, pensa: "Puxa vida, nada pra fazer... Agora é a hora do rush, vou socializar no trânsito".

Não me pergunte qual o motivo da atração pela via da esquerda. Como eu já disse, nunca dirigi um Golf. A única coisa que posso imaginar é que, andando na esquerda, fica mais fácil de esticar o pescoço pela janela; coisa que o Golf exige de você.

No domingo então, sai de baixo! Jamais siga um Golf em pleno domingo, principalmente se você tiver problemas cardíacos! Dia mundial do tédio, os Golf's estão a solta! 

Meu avô, que Deus o tenha, costumava dizer: "Vou mandar esse cara trazer a morte pra mim". Infelizmente, a morte não veio de Golf para ele, que morreu jovem demais.

Portanto, prezado leitor, quando pensar em comprar um carro, pense nisso: alguns carros são meios para se chegar a algum destino, o Golf é o próprio destino.


















1 comentários:

livros, filmes e poemas lidos, assistidos e inventados. disse...

Adoreiii !!

Postar um comentário