segunda-feira, 7 de junho de 2010

Lost.

Lost acabou.

Na semana passada assisti o último capítulo. Restará a saudade... assim como fiquei quando terminou Prison Break.

Embora, para mim, Prison Break tenha sido a coisa mais genial já realizada na televisão mundial, Lost, por tratar de temas mais abrangentes, proporciona discussões mais filosóficas.


Ao contrário da maioria, gostei do último episódio.


Gostei da relação da série com o Tempo.

Me lembra Kronos e Kairós.

Khronos é o tempo em que estamos presos nesta Terra. Ele é linear, medido, contado.

Kairós é o tempo que não pode ser medido, por não ser linear. É como a eternidade, que na realidade não significa tempo infinito, mas ausência de tempo.

Kairós é o tempo de Deus. Quando foi dito: "para o Senhor um dia é como mil anos e mil anos como um dia" está sendo mostrado que o tempo de Deus é Kairós, isto é, não dá pra ser mensurado.

A cada dia que passa o Kairós vem sendo desvendado pelo homem.

O genial Jung em seu conceito de Sincronicidade foi o pioneiro (dentro da psicologia) a abordar o tema.

Hoje, a Física Quântica, com seus universos paralelos, só vem a testificar o que já era estudado por muitos.

O interessante é que se pensarmos em um mundo espiritual onde o que reina é Kairós, muitas das teorias religiosas perdem o sentido.

Ora, pensem comigo, se Deus habita em Kairós, para ele não existe passado, presente ou futuro. Ele não é um escravo do tempo. Logo, o que É É. Talvez por isso ele se autodenomine o grande EU SOU.

Continuando o raciocínio, para ele o seu nascimento, o seu crescimento, o hoje e até a sua morte estão acontecendo tudo em um só momento, tudo é uma coisa só, visto que o Tempo (do qual somos escravos) está na palma de suas mãos.

Logo, fica difícil falar em livre-arbítrio, concordam?

Todas as religiões trabalham com o tempo linear. Reencarnação, evolução, redenção, santificação, tudo pressupõe uma linearidade, pressupõe um ontem e um amanhã. Mas isso faz muito menos sentido se observarmos as teorias de mundos paralelos e o próprio Kairós.

Interessante que o profeta Isaías diz que "o Cordeiro foi imolado antes da fundação do mundo", fazendo referência a Cristo já ter sido crucificado antes da criação do mundo, pois, para o Criador, tudo É. A crucificação aconteceu, acontece e acontecerá.

Ou seja, dá pra falar em condenação e redenção? Dá pra falar em livre-arbítrio?

Como diz o Caio Fábio em seu livro Nephilim: "O que é é, isto é tudo e tudo é".

Bom, foi só um pensamento. Não entre em depressão. Faça seu melhor e tente evoluir, mas saiba, o que é É.

Até nisso o estoicismo estava coerente.

Enfim... o episódio final de Lost foi muito bom e me levou a relembrar desses pontos.

3 comentários:

Jenifer disse...

Oi, guuuuuu
ah.. tb quero ter um blog!!! =)
que legal!! até parece q to ouvindo vc falar hauahuh..
gostei mt do pensamento, guu.. apesar de eu nao entender mt sobre Kairós e nem de Lost (que absurdoooo!!) rsrs.. gostei muito de pensar sobre. Sabe que gosto dessas filosofias..
parabens!
saudade de vc!
bjs

jenifer

Rayc disse...

Olha a Jeni por aqui!!!!

Como ela, eu também não assisti Lost. Mas acabei ficando inteirado do assunto pela imprensa...

Prometo que vou parar de repetir isso (rsrsrsr): é sempre um imenso prazer lê-lo!

Sempre tive um fascínio pela questão do tempo, principalmente depois que entrei em contato com a teoria da relatividade, de Einstein.
Não conhecia Kairós. Esse tema me lembrou de quando conversávamos sobre essa atemporaneidade, incomprensível para nós, limitados pelo Khronos.

Salve, meu caro!

Moisés Lourenço Gomes disse...

Gosteim meu geniozinho.

Nele, há fusão de dimensão. Ele É Tudo e Outros Tudos!

Postar um comentário