quinta-feira, 24 de junho de 2010

Palavras...

"A vida e a morte estão no poder da língua". Rei Salomão.


Falar é a coisa mais fácil que existe. Fala-se o que quer, com a idéia de que as palavras ficam soltas ao vento.

Ocorre que as palavras nunca ficam soltas ao vento. Todas geram efeitos, criam, destroem, matam e vivificam. Sei que isso lembra a Teoria do Caos, utilizada na criação do filme "Efeito Borboleta", mal utilizada, diga-se de passagem, embora o primeiro filme tenha sido interessante.

Hitler, simplesmente com o poder de suas palavras, possuiu uma nação inteira com um pensamento absurdo. Os alemães ficaram possuidos com as palavras de Hitler, que levaram à morte e destruição milhões de judeus.

Uma nação com pensadores do nível de Kant, Schopenhauer, Nietzsche, Goethe e tantas mentes iluminadas foi simplesmente reduzida a uma idéia.

Quando Goethe, o romancista, escreveu "Os Sofrimentos do Jovem Werther", ocorreu uma onda de suicídios em toda a Europa, de tão profundo que o escritor era em suas palavras. O livro relata o amor não correspondido de Werther por Carlota, que acaba se suicidando por conta desse amor.

Em pleno auge do romantismo, os jovens se suicidavam da mesma forma que Werther, tamanho o poder que as palavras de Goethe exercíam sobre os seus leitores.

Hoje em dia, quem nos mostra esse poder absurdo são os líderes religiosos. Pastores com passagens pela polícia, notória falta de caráter e completa falta de bom senso lotam suas igrejas arrecadando valores absurdos dos fiéis, moram em suas mansões confortáveis, enquanto a pessoa que ganha um salário mínimo dá 10% do seu salário para a igreja.

O poder da palavra desses cidadãos é tão grande que as pessoas nem se perguntam pra onde vai todo esse dinheiro, porque a igreja não ajuda os necessitados, ou o porquê do pastor andar em carro importado.

A maioria dos religiosos confunde esse poder da palavra. Eles acham que Salomão falava de um poder mágico, então, quando vêem algum objeto de desejo eles dizem: "Isso ainda será meu, tenho poder em minhas palavras".

Tenho pena dessas pessoas.

A palavra mata e vivifica. É simples demais isso.

Salomão costumava comparar a língua dos seus inimigos a flechas desferidas contra ele.

Ora, todos sabemos que uma palavra dói mais do que um soco no estômago, da mesma forma que pode até "curar" uma pessoa.

Agora, se você acha que estou exagerando, faça um feed back na sua vida e veja o quanto você já perdeu por causa de algumas palavras que falou, ou que deixou de dizer.

Detesto auto-ajuda, mas sei que esse texto soou um pouco disso. Credo!

Agora já está escrito, falado, dito, solto no ar e pronto para surtir possíveis efeitos.


É mais ou menos isso.

2 comentários:

Jenifer disse...

é por isso que eu sou fã de um bom diálogo! Ele resolve qualquer situação e limpa a mágoa!
Muito bem, meu amigo!
Pena que os iludidos por estes religiosos acham que estamos apenas desviá-los do caminho de Deus...

Rayc disse...

Meu caro, vamos comercializar isso! Autoajuda dá muita grana! rsrsrsrs

Brincadeiras à parte, como de praxe, ótimas considerações!

Saudações!

Postar um comentário